pg incial 2018

cicaf

*

Você está aqui: HomeNotíciasIrmã Clemência Beninca - Luz que brilhou no deserto
Publicado em Notícias
Postado por  Sede Geral - Isabel do Rocio 06 Setembro 2022
Irmã Clemência Beninca - Luz que brilhou no deserto

 

Deus, na sua infinita bondade e sabedoria, continua revelar-se à humanidade, com sua presença e atuação amorosa. Se alguém se dispõe a estudar, conhecer, escutar a “constelação” das Congregações Religiosas existentes na Igreja, terá uma atitude de reverência e admiração diante do Criador do universo e perceberá a voz que chama á Vida Religiosa para colaborar na sua obra. E notará que Deus revela sua grandiosidade nas pequenas coisas.

Neste sentido, no caminhar da História, em 1915, Ele chamou pessoas que, com simplicidade, disponibilidade, alegria e solidariedade ouviram o chamado, se dispuseram a colaborar em sua obra. Frente a isso, uma luz surgiu naquele deserto: a Irmã Clemência Beninca, religiosa da Congregação das Irmãs da Divina Providência. Essa luz animou, acompanhou, orientou com desvelo, respeito e liberdade um novo grupo de mulheres que deu origem à Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas.

Irmãs, formandas e simpatizantes, conhecem em parte, ou profundamente a história e nela a presença e a atuação dessa luz, a Irmã Clemência. Ela foi a primeira orientadora, incentivadora, mestra, educadora, defensora, irmã, amiga, mãe, animadora da vida e da espiritualidade das três primeiras e do grupo que em seguida se formou, o qual, recebeu o nome de “Companhia das Catequistas” e mais tarde, Irmãs Catequistas Franciscanas.

No livro “Em resposta ao clamor do povo”, de Irmã Ede Maria Valandro e no livro “Nos trilhos da história”, de Irmã Augusta Neotti, encontram-se relatos que sensibilizam, encantam e mostram que Irmã Clemência, junto ao fundador Frei Polycarpo Schuhen, foi a pessoa que o Espírito de Deus usou para o surgimento de um novo grupo de mulheres consagradas. Os relatos revelam Clemência uma Irmã de fé, de escuta, abertura, de desprendimento, de maturidade cristã,

Soube ser atenciosa à voz do Espírito. Em permanente diálogo com Frei Polycarpo, animou o novo grupo que surgia na Igreja com características diferentes dos grupos de Religiosas existentes. Tratava-se de algo novo! Mesmo na incerteza, com fé, serenidade e profundo respeito conduziu o grupo iniciante de 1915 até 1929. Passo a passo, na atenta e cuidadosa escuta, com generosidade e liberdade, sem interferência, deixou-o descobrir o seu próprio caminho.

Dedicada na orientação das novas professoras para que bem exercessem a arte de ensinar e educar; pedagoga na condução do grupo, na confirmação do carisma: Educação e Catequese. Imprimiu nas primeiras a espiritualidade do “tomar a cruz todos os dias” no seguimento a Jesus Cristo como franciscanas, com simplicidade, disponibilidade e alegria, vivendo duas a duas, no meio do povo. Teve o cuidado de não interferir no grupo com o carisma da sua Congregação. Ajudou-as a descobrir o seu próprio caminho.

A história também afirma que Irmã Clemência com desvelo materno e generoso amor, acompanhou as “Catequistas”. Elas eram estimadas e valorizadas pelas comunidades porque respondiam plenamente e com dedicação às necessidades da educação nas Escolas Paroquiais, da assistência religiosa às capelas. Todavia, viviam grandes e inevitáveis dificuldades. A pouca preparação pedagógica a falta de material para organizar a estrutura necessária à vivência comunitária de um grupo e as necessidade básicas da vida. Irmã Clemência, presente em todos os momentos, prestando auxilio, mantendo o ânimo e o entusiasmo pela missão.

Neste sentido, com a sua comunidade religiosa, Irmã Clemência, generosamente todos os finais de semana e em períodos de férias, abria as portas do Convento “Menino Deus”, em Rodeio, SC, para acolher, hospedar, dar formação, oferece-lhes tempo para oração, retiros, participação da Missa dominical, estudo e orientação pedagógica. Junto com Frei Polycarpo Schuhen e mesmo quando ele não esteve mais presente, com carinho e esmero, animava, ajudava viver a pobreza e a espiritualidade franciscana, a seguir fiéis à missão.

Na celebração do aniversário de sua morte, (8 de setembro de 1964) surge a pergunta:

O que Irmã Clemência falaria à Congregação hoje, em tempos de reorganização?

É possível dizer que, com o mesmo carinho protetor, com fé e confiança diria:

- Sejam fiéis ao Espírito inicial destacando a Educação e Catequese como prioridade da missão em todos os espaços.

- Sigam Jesus Cristo, seja Ele o centro, tenham como fonte a Palavra de Deus e estejam presentes onde a vida está mais ameaçada: pobres, excluídos, sofredores e abandonados.

- Vivam com simplicidade, despojamento, alegria, disponibilidade, partilha e amor fraterno sincero.

- Retomem o SIM, com entusiasmo, coragem, alegria, desprendimento, espírito de serviço e doação.

- Coloquem-se à escuta do Espírito que fala pela realidade hoje.

- Amem a obra que nasceu pequena, frágil, pobre, como Luz que brilhou, na pequena cidade de Rodeio, Santa Catarina, “nova Belém” há mais de 107 anos.

- Vivam em pequenas fraternidades no meio do povo pobre, com amor desprendido, fraterno, sincero, no despojamento e na partilha.

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Celestina Zardo e Irmã Tereza Costa

Comentários  

#1 Maria Rosália Ignacio 07-09-2022 12:28
Quando era noviça, Irmã Clemência, aparecia na cerca e ficava feliz com os progressos da Congregação, isto pelos idos dos 50 anos.
Olha por nós Irmã Clemencia até que nos vejamos de novo!

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

Direção
Isabel do Rocio Kuss

Ana Cláudia de Carvalho Rocha

Marlene dos Santos

Rosali Ines Paloschi

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865