pg incial 2018

cicaf

*

Você está aqui: HomeNotícias(IN)dependência e seus impactos atuais
Publicado em Notícias
Escrito por  Sede Geral - Rosali Paloschi 06 Setembro 2022
(IN)dependência e seus impactos atuais

 

Vida em primeiro lugar...!

Brasil:200 Anos de (in)dependência.

Para quem?

A história do Brasil é permeada de diversos fatores que impulsionaram o desejo de independência. A separação do Brasil de seu colonizador Portugal, representa um processo de revolução, onde o povo, em busca de sua liberdade, lutou por seus direitos de serem independentes. (FANNI, 2015). Dessa forma, o dia 7 de setembro é considerado um marco para a nação, visto a sua importância histórica e a ruptura que ele representa de um sistema antigo, de um povo sem voz nem vez. Desde então, muitas mudanças foram ocorrendo no campo cultural, econômico e político do país.

Sabe-se que tem muito a melhorar! Cabe ressaltar que os grandes centros urbanos estão permeados de pobreza, onde os indivíduos de menor poder aquisitivo ficam alocados à margem da sociedade. Esse processo é resultado da falta de oportunidades, que com o passar do tempo, provoca a marginalização desses indivíduos. Atualmente vive-se uma crise econômica, política e social, onde sofremos a ausência de valores éticos e morais. A histórica desigualdade social não foi superada, e ainda corremos o risco de vê-la ainda mais agravada pela desconstrução de políticas públicas, que resultam em perdas de direitos.

Percebe-se, que os dois anos de pandemia vividos pelo mundo, foram sentidos fortemente no setor econômico, de modo que, muitas famílias perderam entes queridos que faziam o provimento familiar. Estima-se que 33,1 milhões de pessoas foram vítimas dessa doença e 674 mil morreram em decorrência da COVID-19 no Brasil. Além disso, é notória a insatisfação geral com a situação atual, onde poucas são as oportunidades e os direitos, e muitos são os deveres.

A verdadeira reflexão que fica é: estamos lutando diariamente pela paz e fazendo nossa parte na  construção da justiça em nosso país? Como abordar o tema da Independência no Brasil diante de tantos problemas enfrentados diariamente por muitos brasileiros e brasileiras, como desemprego, fome, pobreza, entre outras realidades? De que (In) dependência, estamos falando?

Com isso, vale lembrar que chegamos ao 28º Grito dos Excluídos e Excluídas. O Grito é um processo de construção coletiva que acontece durante todo o ano e culmina no dia 7 de setembro, para lutar por direitos. Nesse ano de 2022 o tema é: Vida em primeiro lugar e o lema: Brasil: 200 Anos de (in) dependência. Para quem? O mesmo, nos convoca para ações efetivas em defesa de todas as formas de vida que se encontra ameaçada. Aposta, com coragem e profetismo na organização popular que está dinamizada através de muitas lutas por dignidade e justiça, que se fazem a duras penas, em todo canto do Brasil.

Similarmente aos fatos que antecederam a Independência do Brasil, o povo mostra-se insatisfeito com a situação atual, indo às ruas para reivindicar seus direitos. Com isso, nota-se que o processo de independência do Brasil ainda está em curso em muitos aspectos. Somos um país jovem, com muitos pontos a serem avaliados e reestruturados, partindo do cuidado e responsabilidade de cada um e cada uma.

Desse modo, o processo eleitoral de 2022, contará com a participação da população, escolhendo a democracia,  tendo a vida em primeiro lugar.  Estamos  na  busca de um novo fôlego para continuar a labuta diária, projetando a cultura do Bem Viver para todos os povos!

Como diz Roberto Liebgott, (2022):

“Fome, de repente ouvimos de novo falar dela, está logo ali, do outro lado, entre irmãs e irmãos. Está logo ali consumindo vidas, tirando sonhos, liberdades, sufocando alegrias. Está logo ali, do outro lado dos muros, entre mulheres, homens, jovens e idosos, legiões de desesperados. Fome, justo agora quando tem o agro, que é pop, que é tudo, que é tão estimulado pela lucratividade. Fome agora, quando se discute urnas eletrônicas, democracia, eleições e golpes pelo poder. Fome que dói, faz delirar, sufoca, agride a dignidade humana, dilacera o futuro e mata. Fome, ei-la bem diante dos olhos dos abastados, das mesas fartas, das prateleiras e geladeiras abarrotadas. Fome onde a partilha foi desfeita por aqueles que acumulam gananciosamente. Fome onde as cercas paralisam os direitos, concentram os bens, e excluem a existência do outro. Fome porque a desumanidade prevalece, o egoísmo dá a direção e os poderosos fartam-se em seus tronos. Fome que deveria envergonhar, revoltar, indignar, mobilizar e mover os bem nutridos a combater os privilegiados. Fome, até quando? ”.

Que eu e você, que todos, todas nós, aproveitemos esse 7 de setembro para refletir sobre a importância da organização, ainda mais indispensável neste ano, em que o cenário político exige capacidade de diálogo e construção de saberes para compreender a realidade e assim transformá-la.  

Informações adicionais

  • Fonte da Notícia: Irmã Irlândia Oliveira Almeida

Comentários  

#2 Elizabete Campos de Souza 08-09-2022 04:38
Lindo texto, reflexao pertinente aos dias de sempre e hoje mais gritante. In dependência para quem? A Há muitas pessoas que lhes foram roubados direitos essenciais e quem não sabem desses direitos. Que Deus nos ajude, tenho medo do que pode vir pela frente depois das eleições.
#1 IRIA MINOSSO 07-09-2022 20:36
Parabéns, Irlândia, pela ousadia de escrever sobre um tema tão polemico que nos reporta a tantas versões sobre os fatos do passado e do presente. Mas a sua escrita nos interpela a discernir em nossa vida, tudo o que envolve o nosso cotidiano. Muito obrigada pela coragem de assumir com "garra" a sua Vida Religiosa Consagrada dedicada aos pobres do centro de São Paulo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

Direção
Isabel do Rocio Kuss

Ana Cláudia de Carvalho Rocha

Marlene dos Santos

Rosali Ines Paloschi

Arte: Lenita Gripa

Congregação das Irmãs Catequistas Franciscanas
Rua Des. Nelson Nunes Guimarães, 346
 Bairro Atiradores - Joinville / SC – Brasil
Fone: (47) 3422 4865